O lado B de Deus

O lado B de Deus

Quando era pequena lembro-me perfeitamente de ouvir música em pequenas cassetes que, em determinada altura, tínhamos de tirar do leitor (chamavam-se rádios naquela época) virar ao contrário e ouvir. Foi neste ritual que conheci hits comerciais do momento, como os Onda Choque, o Brian Adams (por quem todas as raparigas tinham uma paixoneta), e tantos outros… Só nunca pensei que, tal como as cassetes, nós também temos um lado em reprodução (o lado A), mas existe um outro lado, com muitas mais músicas (o lado B) que pertence a Deus.

Passo a explicar: quantas vezes não deste já por ti a fazer coisas que te pareciam impossíveis? Quantas vezes não ultrapassaste limites que pensavas que tinhas? Foram esses os momentos em que viveste o lado B, o lado que Deus tem e sonha para ti. Não te lembras de nenhuma situação? Vou supor que, como eu, és uma pessoa tímida, pouco confiante. Contudo, inexplicavelmente, houve um momento em que largaste toda essa timidez e insegurança e foste rumo ao desconhecido, por vezes algo (tão simples) como ir ter com alguém que mal conheces e meter conversa. Chegas até à conclusão que aquela pessoa estava mesmo a precisar de uma palavra amiga e (UAU) acabaste de viver o lado B, acabaste de ser presença de Cristo na vida do outro.

Tendemos a ver o mundo como um lugar que pertence aos heróis da história, no entanto, esquecemo-nos que Deus (ao contrário da Marvel) não faz heróis com poderes sobrenaturais, Ele prefere heróis de carne e osso com problemas reais: não foi Jesus Cristo o melhor anti-herói de sempre? Cristo não se transformava em nada de extraordinário, Ele era simplesmente Ele, inteiro; Madre Teresa, figura pequena e com aspeto singelo foi de tal forma anti-herói que ajudou milhares de vidas, e tantos outros homens e mulheres (canonizados ou não) que foram verdadeiros anti-heróis, que viveram o lado B da história.

Costuma dizer-se que a vida é aquilo que acontece enquanto estás ocupado(a) a fazer outros planos. É isto mesmo, provavelmente, o que acontece quase sempre connosco: a nossa verdadeira vida (o lado B – o lado de Deus – o plano de Deus) decorre e vai-se manifestando enquanto estamos ocupados a viver os nossos planos, concentrados em nós mesmos, concentrados em viver apenas o lado A, sem ponderar que poderá haver uma faixa extra.

Filipa Oliveira