Dá-me de beber

Dá-me de beber

«Disse-lhe Jesus: “Dá-me de beber”» (Jo 4, 7)

Deixando a Judeia, Jesus dirige-se para a Galileia, seguindo uma estrada que atravessa a Samaria. Por volta do meio-dia, cansado da viagem, senta-se junto ao poço que o Patriarca Jacob construíra. Estava com sede, mas não havia ali nenhum recipiente para tirar água e o poço era muito fundo.

Os discípulos tinham ido à aldeia comprar comida e Jesus ficou ali sozinho. Então chegou uma mulher com uma bilha, e Ele, com simplicidade, pede-lhe de beber. É um pedido que vai contra os costumes do tempo: um homem não se dirige diretamente a uma mulher, especialmente se se trata de uma desconhecida. Para além disso, entre Judeus e Samaritanos há divisões e preconceitos religiosos.

Há, ainda, entre os dois uma outra barreira, de tipo moral: a samaritana teve vários maridos, e agora vive numa situação irregular. Será talvez por essa razão que ela não vem buscar água na companhia das outras mulheres, de manhã ou ao final da tarde, mas sim a uma hora insólita como esta: ao meio-dia. Provavelmente para evitar comentários.

Jesus não se deixa condicionar por qualquer tipo de barreira e abre o diálogo com esta estranha. Ele quer entrar no seu coração, e por isso pede-lhe:

“Dá-me de beber”

Ele tem uma oferta reservada para ela: o tesouro da água viva.

«Se alguém tem sede, venha a mim; e quem crê em mim que sacie a sua sede!» (7, 37).

A água é essencial para qualquer tipo de vida, sendo especialmente preciosa em sítios áridos, como é o caso da Palestina. A água que Jesus quer dar é uma água “viva”, que simboliza a revelação de um Deus que é Pai e é amor. É o Espírito Santo, a vida divina que Ele veio trazer. Tudo o que Ele nos dá é vivo e serve para a vida: Ele próprio é o pão “vivo” (cf. 6, 51 ss), é a Palavra que dá a vida (cf. 5, 25), é simplesmente a Vida (cf. 11, 25-26). João, que o testemunhou, revela que, quando um dos soldados lhe deu um golpe com a lança, «imediatamente saiu sangue e água» (19, 34): é a oferta extrema e total de si.

Mas Jesus não impõe nada. Ele, que tudo pode dar, pede, porque de facto precisa da dádiva dela:

“Dá-me de beber”

Jesus pede de beber, porque está cansado e tem sede. Ele, o Senhor da vida, faz-se passar por indigente, sem esconder a sua verdadeira humanidade. Aliás, Ele suplica, porque sabe que, se aquela mulher der qualquer coisa, mais facilmente, estará pronta a receber.

Com este pedido, inicia-se um diálogo e, no fim, Jesus pode revelar a sua identidade. O diálogo faz cair as barreiras de defesa, levando à descoberta da verdade: a água que Ele veio trazer.

A mulher deixa ali aquilo que, naquele momento, era o mais importante para ela, a sua bilha, pois acaba de encontrar uma outra riqueza muito mais importante. Então, corre à cidade para levar esta notícia aos seus vizinhos. E também ela não impõe nada. Limita-se a contar o que lhe aconteceu, comunicando a sua experiência. Depois, ela mesma se questiona sobre quem será aquela pessoa que encontrou e que lhe pediu:

“Dá-me de beber”

Este mês assinalamos a “Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos”. Este tempo, deve fazer-nos tomar consciência das divisões escandalosas entre as Igrejas, que perduram desde há tantos anos. Ao mesmo tempo, somos convidados a acelerar os tempos para uma comunhão profunda que ultrapasse todas as barreiras, à semelhança do que fez Jesus ao ultrapassar as fraturas entre Judeus e Samaritanos.

A desunidade entre os cristãos é uma das muitas fraturas que dilaceram a humanidade, nos mais diversos ambientes: mal-entendidos, divisões familiares e entre vizinhos, atritos nos locais de trabalho, rancores em relação aos imigrantes. As barreiras que muitas vezes nos dividem podem ser: sociais, políticas, religiosas, ou simplesmente fruto de hábitos culturais diferentes que não sabemos aceitar. Não poderíamos abrir-nos aos outros, como fez Jesus, superando todas as diferenças e preconceitos? Porque não atendemos à exigência de compreensão, de ajuda, de atenção, talvez formulada de modos diferentes? Em todos os seres humanos, mesmo naqueles que podem ser nossos adversários, ou que pertencem a culturas, religiões ou sociedades desconhecidas, esconde-se um Jesus que se dirige a nós, suplicando-nos:

“Dá-me de beber”

É espontâneo lembrarmo-nos logo de uma outra palavra de Jesus, pronunciada na cruz: «Tenho sede» (19, 28). Em qualquer pessoa necessitada, desempregada, sozinha, estrangeira, mesmo que seja doutra fé ou convicção religiosa, mesmo que nos seja hostil, podemos reconhecer Jesus que nos diz: “Tenho sede”, e que nos pede: “Dá-me de beber”. Basta oferecer um copo de água – diz o Evangelho – para termos a recompensa (cf. Mt 10, 42), para estabelecer o diálogo que recompõe a fraternidade.

Também nós, pelo que nos diz respeito, podemos exprimir as nossas necessidades, sem nos envergonharmos de “termos sede” e pedirmos também: “Dá-me de beber”. Assim pode-se iniciar um diálogo sincero e uma comunhão concreta, sem termos medo das diferenças, nem de corrermos o risco de comunicar o nosso pensamento e aceitar o do outro. Devemos apoiar-nos principalmente sobre as capacidades de quem está diante de nós, sobre os seus valores presentes, mesmo se escondidos, como fez Jesus que soube descobrir na samaritana uma coisa que ela podia fazer e Ele não: tirar água.

Fabio Ciardi

Adaptado de Palavra de Vida de janeiro de 2015