Desperta!

Desperta!

Os temas da oração de hoje são despertar, pôr-se a caminho ser luz. Vamos meditar sobre o quão adormecidos andamos e o que temos feito para acordar e nos fazermos à estrada; para percorrer o caminho a que Jesus nos chama e o levar a todos aqueles que encontramos nos cruzamentos da vida.

Estás pronto?
Começa por ler esta passagem da Carta aos Efésios:

Efésios 5, 8-17

“8É que outrora éreis trevas, mas agora sois luz, no Senhor. Procedei como filhos da luz – 9pois o fruto da luz está em toda a espécie de bondade, justiça e verdade – 10procurando discernir o que é agradável ao Senhor. 11E não tomeis parte nas obras infrutíferas das trevas; pelo contrário, denunciai-as. 12Porque o que por eles é feito às escondidas, até dizê-lo é vergonhoso. 13Mas tudo isso, se denunciado, é posto às claras pela luz; 14pois tudo o que é posto às claras é luz. Por isso se diz:
«Desperta, tu que dormes,
levanta-te de entre os mortos,
e Cristo brilhará sobre ti».
15Portanto, vede bem como procedeis: não como insensatos, mas como sensatos, 16aproveitando o tempo, pois os dias são maus. 17Por isso mesmo, não vos torneis néscios [ignorantes], mas tratai de compreender qual é a vontade do Senhor.”

DESPERTAR

O que significa para ti estar a dormir quando despertar é ser espelho da luz do Cristo? O que te mantém adormecido? O que te faz acordar? O que muda em ti em cada despertar?

“bondade, justiça e verdade”, “vede bem como procedeis”, “aproveitando o tempo”, “tratai de compreender qual é a vontade do Senhor” são condições que, segundo a leitura, caracterizam os filhos da luz, os discípulos de Jesus, os que estão despertos. Enquanto discípulo de Jesus, identificas-te com elas? O que te falta para despertares e seres luz?


Proposta para a quinzena: pensa numa pessoa em concreto que conheças cuja fé aparenta estar adormecida – desperta-a! mostra-lhe como um discípulo de Jesus deve ser filho da luz e não das trevas!


PÔR-SE A CAMINHO

Quando Jesus apareceu pela primeira vez aos Seus discípulos, depois de ressuscitar, disse-lhes: «Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura! Quem crer e for batizado será salvo» (Mc 16,15-16). Este envio de Jesus aos discípulos também se dirige a cada um de nós e é como um novo despertar. «Quando O encontro, quando descubro até que ponto sou amado por Deus e salvo por Ele, nasce em mim não apenas o desejo, mas a necessidade de fazê-lo conhecido pelos demais.» (Bento XVI).[1]
Muitas vezes, achamos que não somos capazes de despertar da nossa apatia e inércia e começar a evangelizar no dia-a-dia; muitas vezes pensamos que isso é para os outros. Ou por que não temos jeito para comunicar, ou porque temos vergonha, ou porque às vezes nem sabemos bem o que dizer. Sobre isto, diz-nos novamente o Papa Bento XVI: «Quando vos sentirdes inadequados, incapazes e frágeis para anunciar e testemunhar a fé, não tenhais medo. A evangelização não é uma iniciativa nossa nem depende primariamente dos nossos talentos, mas é uma resposta confiante e obediente à chamada de Deus, e portanto não se baseia sobre a nossa força, mas na d’Ele. Isso mesmo experimentou o apóstolo Paulo: “Trazemos esse tesouro em vasos de barro, para que todos reconheçam que este poder extraordinário vem de Deus e não de nós” (2 Cor 4,7)».[1]
Ser discípulo de Cristo, anunciar o Evangelho, pôr-se a caminho, é bom por si só mas ganha ainda mais sentido quando isso nos faz aproximar d’Ele, pessoalmente. O Beato João Paulo II escrevia: «É dando a fé que ela se fortalece» (Encíclica Redemptoris missio, 2). Evangelizando, ganhamos a oportunidade de nos enraizarmos mais em Cristo e de crescermos como cristãos. Assim apercebemo-nos que o anúncio do Evangelho não pode ser senão consequência da alegria de ter encontrado Cristo e ter descoberto n’Ele a rocha sobre a qual construir a própria existência.».[1]

Para agora para refletir nestas palavras. O que te dizem?
Se uma música ajudar, sugerimos esta!


Proposta para a quinzena: lançaram-te um desafio e ainda não sabes se deves arriscar? Estás desanimado com os projetos em que te envolveste? Estás a preparar-te para ir em missão? Reza para que seja feita a vontade de Jesus na tua vida, todos os dias, e avança, sem medos, não te esqueças que Deus dá as batalhas mais difíceis aos seus melhores soldados! (Papa Francisco)  


SER LUZ

«A luz da fé ilumina esta escuridão, fazendo-nos compreender que toda a existência tem um valor inestimável, porque é fruto do amor de Deus. Ele ama até quem se afastou ou esqueceu d’Ele: tem paciência e espera; mais que isso, deu o seu Filho, morto e ressuscitado, para nos libertar radicalmente do mal. E Cristo enviou os seus discípulos para levar a todos os povos este alegre anúncio de salvação e de vida nova.»

Papa Bento XVI

De facto este convite que Jesus nos faz, de despertarmos e nos pormos a caminho, não é fácil. Nesse âmbito, o Papa Bento XVI relembra que o mais importante não são só as palavras que possamos dizer, mas a nossa atitude perante a vida e o amor que pomos em tudo aquilo que fazemos. É a «solicitude e a simplicidade do nosso testemunho (que) serão um canal através do qual Deus poderá tocar seu coração».[1]
Recorda a passagem da Carta aos Efésios: “o fruto da luz está em toda a espécie de bondade, justiça e verdade”; a alegria, o amor, a solicitude e a simplicidade são também características dos filhos da luz – tens consciência de que a tua alegria e o amor que partilhas com os que te rodeiam vêm de Deus? Já reparaste como elas te diferenciam dos demais? Que são algo que os olhares atentos dos outros reconhecem como algo que há de diferente em ti (mas que é comum aos discípulos de Jesus)? Que o teu rosto emana uma luz que é o próprio Cristo? Que o teu sorriso transforma e salva, e o teu olhar terno e atento identificam Jesus? Que os outros vêm Cristo em ti?

Não tenhas medo, sê luz, partilha a luz que tens dentro de ti com os que te rodeiam!


Proposta para a quinzena: Sê luz na vida de alguém que te rodeia; pensa em alguém em concreto que ande particularmente desanimado/triste/na escuridão e leva-lhe a alegria e o amor que só um cristão sabe levar – não precisas de a levar à missa nem nada assim; basta pedires ao Pai que consigas ser luz para essa pessoa em concreto e bateres-lhe à porta. O resto, há de ser, de facto, como Deus quiser!


Termina a tua oração pedindo a Jesus que te dê forças para despertar, coragem para te pores a caminho e um coração aberto para que possas ser luz em tudo o que faças.

 

[1] Adaptado de “IDE E FAZEI DISCÍPULOS ENTRE TODAS AS NAÇÕES” in Caderno de Temas EJNS 2013, pgs. 36-39.