Visita Ad Limina Apostolorum

Visita Ad Limina Apostolorum

A visita ad limina apostulorum é uma visita obrigatória que os bispos têm de fazer de cinco em cinco anos ao Papa e aos túmulos dos apóstolos São Paulo e São Pedro, em Roma. Nesta visita, os bispos apresentam ao Papa um relatório sobre o estado da sua diocese e recebem a devida apreciação e conselhos por parte do Papa.

Hoje, dia 7 de setembro de 2015 deu-se assim início ao encontro Ad limina (tendo o último ocorrido em 2007 durante o pontificado de Bento XVI) com a presença de 43 bispos portugueses. Durante a primeira audiência com o Papa, este manifestou várias preocupações mas referindo que “as luzes sobrepujam as sombras”. Entre as suas preocupações encontra-se  a existência de “paróquias estagnadas” que dependem profundamente do pároco, fechando-se em si mesmas, onde não é cultivado um clima de oração e profundidade espiritual, o que leva ao desinteresse e à “debandada da juventude”, reforçando que “A Igreja em Portugal precisa de jovens capazes de dar resposta a Deus que os chama, para voltar a haver famílias cristãs estáveis e fecundas, para voltar a haver consagrados e consagradas que trocam tudo pelo tesouro do Reino de Deus, para voltar a haver sacerdotes imolados com Cristo pelos seus irmãos e irmãs. Temos tantos jovens desocupados e o Reino dos Céus à míngua de operários e servidores… Jesus caminha com o jovem…”. Reforça-se assim a necessidade de um encontro com Jesus. Mais do que a doutrina, o jovem tem de se encontrar profundamente com a presença de Jesus expressa pela vida daqueles que o rodeiam, expressa por famílias educadas e com uma vivência profundamente cristã.

O Papa Francisco regojizou-se com o cada vez maior interesse dos jovens portugueses pelo voluntariado e missão (mesmo ad intra), pela profunda generosidade do povo português e pela serenidade da Igreja portuguesa, Igreja essa constituída por sacerdotes preparados espiritual e culturalmente com um grande desejo de darem um testemunho coerente aos seus fiéis. No entanto, a Igreja não se pode fechar na comunidade eclesiástica, tendo sido também realçado o papel determinante dos leigos no apostolado. Leigos esses que nas suas famílias, empregos e contextos sociais “completam o testemunho de vida com o testemunho da palavra” e serão as pessoas mais aptas para ajudar os seus irmãos na vida quotidiana.

Esta audiência terminou com um pedido de empenho renovado na atividade pastoral sob a intercessão da Virgem Santa Maria.