Testemunhos Maria do Ribatejo - EJNS

Testemunhos Maria do Ribatejo – EJNS

Nos dias 25,26 e 27 de Outubro, estiveram reunidos mais de 100 Jovens e Casais as Equipas de Jovens de Nossa Senhora. O Setor de Santarém organizou um encontro chamado Maria do Ribatejo, baseado num encontro que o Setor do Porto criou há alguns anos, o Maria Invicta.

Tudo nasceu de 3 grandes pilares das EJNS, do Ser Movimento, da partilha e do trabalho em equipa. As Equipas não são só o Setor de Santarém, são um Movimento Nacional e Internacional, por isso, acolhemos Equipistas de outros Setores, dormimos e fizemos várias atividades na sede dos Escuteiros que humildemente partilharam o seu espaço connosco e foi  através do trabalho em equipa de muitos Equipistas e Casais voluntários que tudo aconteceu.

O grande objetivo desde encontro era dar a oportunidade para os equipistas se juntarem 3 dias, a fim de conhecerem melhor Nossa Senhora, Jesus, as EJNS e a cidade de Santarém. Uma vez que a palavra que irá guiar o nosso ano Pastoral é “acolher”, o tema que nos acompanhou no Maria do Ribatejo foi “Acolhei-vos como Cristo vos acolheu”.

Durante o fim de semana tivemos a graça de escutar 5 belíssimas conferencias, de rezar, de fazer jogos, de visitar idosos e de fazer muitas outras coisas.

Este encontro serviu, em cada momento, para refletirmos a importância do acolhimento e para nos aproximarmos uns dos outros e do caminho que Jesus nos convida a fazer.

Kika Carolino, responsável de Santarém

 

A Maria do Ribatejo foi um encontro incrível, onde se acolheu tudo e todos os equipistas. Foi um encontro em que a organização nos proporcionou tudo o que as equipas defendem, desde orações, conferências, ação social, tudo. Foi um fim‑de‑semana incrível que será difícil de esquecer. Antes de mais um forte agradecimento à minha equipa S37, porque sem eles nada disto seria possível e um forte abraço à organização do encontro, pois foram incansáveis para com todos os equipistas. Para o ano há mais!

Joao Pimenta

 

Quando há coisa de 1 ano fomos convidados para ser casal de uma equipa de jovens de Nossa Senhora uma coisa que desde logo nos entusiasmou foi podermos voltar a viver o Movimento.

Fomos os dois equipistas, e embora tenhamos adorado a vivência das nossas equipas, também adorámos viver o Movimento. Temos a certeza, aliás, que aqueles que se ficam apenas pela vivência da sua equipa de base, não gozam nem metade daquilo que as EJNS têm para oferecer.

O “Maria do Ribatejo” foi só o último exemplo daquilo que as Equipas propõem aos seus membros, sendo que, para nós ribatejanos, foi um Encontro especial, até porque marca este enorme ressurgimento do Setor de Santarém que hoje vivemos, e que a todos enche de alegria.

Tivemos oportunidade de acompanhar quase todo o Encontro que começou num dia em que a noticia nas televisões era que um assessor de um partido, certamente muito baralhado, se tinha enganado e tinha saído à rua vestindo a roupa da irmã. Mas, na verdade, a grande noticia do dia, embora não tenha aparecido nos telejornais, foi que um grupo de várias dezenas de jovens, todos gente saudável, divertida, com amigos e muitos outros afazeres, tinha decidido passar o seu fim-de-semana a rezar e a conversar de um tema extraordinário: o acolhimento, e logo o acolhimento à moda de Jesus.

O Programa foi riquíssimo, desde a conferência do Padre Miguel na primeira noite, ao almoço partilhado nos claustros do Seminário a encerrar, passando pelo peddie-paper matinal de Sábado, o tempo de Adoração na noite desse dia, e os extraordinários exemplos vivos de acolhimento trazidos pelo casal Escudeiro e pela Helena Ribeiro Telles.

Tendo de escolher, ficamos com 3 momentos de que gostámos especialmente:

  1. a extraordinária conferência do Professor João Franco Reis sobre a comunicação das posições da Igreja, que são as nossas, relativamente aos mais diversos temas, em especial aqueles chamados “fraturantes”, que se encontram envolvidos por uma especial complexidade. Realmente, neste tempo que vivemos, somos chamados a defender as nossas posições e convicções e devemos fazê-lo bem preparados pois isso faz toda a diferença. Foi realmente uma tarde fantástica onde todos aprendemos imenso, ainda por cima de uma forma super-interessante, entusiasmante e até divertida.
  2. a conferência de D. José Traquina, nosso Bispo. A simplicidade do D. José Traquina é tal que podemos até ficar convencidos de que é uma coisa de somenos ter um Bispo a falar para nós num encontro das EJNS. Mas não é. É realmente algo de especial e que temos de agradecer. A forma como falou do tema escolhido para o Encontro, que é afinal o tema que a Diocese de Santarém escolheu para este ano pastoral, “Acolhei-vos como Cristo vos acolheu”, foi muito enriquecedora e marcou esta primeira edição da “Maria do Ribatejo” na qual o Pastor da nossa Diocese quis marcar presença.
  3. a missa de Domingo, que encerrou o Encontro. Foi uma missa especialmente alegre e bonita. Ser na “nossa” Sé já tornava esta Eucaristia especial. Ainda por cima o “nosso” Padre Miguel estava notoriamente feliz por estar ali, com as suas Equipas de Jovens, e numa Catedral que lhe diz muito, e, talvez também por isso, a sua homilia foi extraordinária. Depois a Sé estava cheia e sobretudo cheia de jovens, muitos deles envergando a garrida t-shirt do “Maria do Ribatejo” o que dava uma cor muito especial àquele momento. E o coro, com tantas vozes, tornou ainda mais especial a celebração. A celebração da Eucaristia é um pedido do próprio Jesus, “fazei isto em memória de Mim”, que não deve depender de estados de humor ou da maior ou menor espetacularidade da cerimónia, mas não há dúvida que há Missas especiais, nas quais o tempo voa e até apetece que durem mais tempo. Celebrações assim fazem falta a todos, em especial aos jovens, hoje cada vez mais assediados por tanta coisa, que até parece que não há tempo para ir à Missa, em especial se esta for uma “seca”. Ainda bem que o “Maria do Ribatejo” terminou com uma celebração assim.

Na sua conferência o D. José Traquina lembrou uma frase lindissima do Papa Francisco, que diz que “o coração de um jovem é Terra Sagrada”. Estamos certos de que este “Maria do Ribatejo” ajudou a cultivar essa terra!

Obrigado a todos os que fizeram acontecer este magnifico encontro. Nós lá estaremos na próxima edição, se Deus quiser!

Até breve!

Eva e Diogo Palha