O jovem com espírito mudo

O jovem com espírito mudo

Faltam duas semanas até à Páscoa. E já rezámos com o Papa o texto de Lázaro, e caminhamos lado a lado com Jesus, a caminho do Calvário. Nestes dois últimos domingos da quaresma assim como na Páscoa, vamos olhar, juntos, para três jovens que aparecem no Evangelho. Três personalidades diferentes, que aparecem e nos ajudam a perceber que os jovens precisam de Jesus como Jesus precisa dos jovens.

Faz então silêncio e começa a tua oração…

Leitura Bíblica (Mc 9, 17-27)

Alguém de entre a multidão disse-lhe: «Mestre, trouxe-te o meu filho que tem um espírito mudo. Quando se apodera dele, atira-o ao chão, e ele põe-se a espumar, a ranger os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que o expulsassem, mas eles não conseguiram.» Disse Jesus: «Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos hei-de suportar? Trazei-mo cá.» E levaram-lho.

Ao ver Jesus, logo o espírito sacudiu violentamente o jovem, e este, caindo por terra, começou a estrebuchar, deitando espuma pela boca. Jesus perguntou ao pai: «Há quanto tempo lhe sucede isto?» Respondeu: «Desde a infância; e muitas vezes o tem lançado ao fogo e à água, para o matar. Mas, se podes alguma coisa, socorre-nos, tem compaixão de nós.» «Se podes…! Tudo é possível a quem crê», disse-lhe Jesus.

Imediatamente o pai do jovem disse em altos brados: «Eu creio! Ajuda a minha pouca fé!»

Vendo, Jesus, que acorria muita gente, ameaçou o espírito maligno, dizendo: «Espírito mudo e surdo, ordeno-te: sai do jovem e não voltes a entrar nele.». Dando um grande grito e sacudindo-o violentamente, saiu. O jovem ficou como morto, a ponto de a maioria dizer que tinha morrido. Mas, tomando-o pela mão, Jesus levantou-o, e ele pôs-se de pé.

 

Reflexão sobre o texto

O interessante deste texto é que é o pai quem traz o filho à presença de Jesus. Hoje, a Igreja, tua mãe, propõe-te a Quaresma, para que Jesus te possa curar.

Jesus tem a capacidade de expulsar aquele demónio, que muitos identificam com epilepsia. Ora, expulsar este demónio será então curar uma doença. Jesus apresenta-se então como alguém capaz de expulsar os nossos demónios, de nos curar das nossas doenças.

Não se trata necessariamente só de doenças físicas. Trata-se de tudo o que nos deixa “doentes”, “cegos”, que nos afastam de Jesus como leprosos eram afastados das povoações. Mas, deixando-nos levar pela Igreja até perto de Jesus ou ainda tomando esta iniciativa, temos de ser capazes de dizer como o leproso do Evangelho de Mateus: “Senhor, se quiseres, podes curar-me”. Aí, a resposta de Jesus será sempre a mesma: “Quero. Fica curado”.

Passando para a minha vida…

  1. Que demónios mudos são os meus?
  2. Em que medida me impedem de ver Jesus?
  3. Estou disposto a deixar-me curar?

Acção Concreta:

A Páscoa de Jesus está próxima. E com ela o tempo de alegria de um verdadeiro encontro com o Ressuscitado. Prepara-te convenientemente para a viveres: se não te confessaste, fá-lo. Se já o fizeste, aproveita esta semana para dar graças pelo abraço de misericórdia que Deus te Deu.

Em paralelo, nesta semana, convidamos-te a procurar, desde já, na tua Paróquia, um momento em que, nas celebrações pascais, possas dar de ti: uma leitura, os ensaios do coro, algo em que, de verdade, te ajude a tomas parte na Páscoa de Jesus.